NOTÍCIAS

Em três meses, Temer perdoa quase R$ 30 bi dos bancos

 

Benevolência do governo é com um setor que continua lucrando muito e fechando postos de trabalho

Em 90 dias, o governo ilegítimo de Michel Temer garantiu o perdão da dívida de aproximadamente R$ 30 bilhões do Bradesco, Itaú e Santander. Representantes dos bancários criticam a postura, lembrando que os bancos brasileiros continuam lucrando muito e fechando postos de trabalho.

Para Neiva Maria, secretária-geral do Sindicato, "é um absurdo os bancos fazerem abertamente campanha pela retirada de direitos, defender as reformas como se fossem modernizar o Brasil, enquanto na verdade estão aumentado seus lucros, tirando recursos da sociedade e promovendo uma onda de desemprego, terceirização e precarização das condições de trabalho e do atendimento aos clientes e à população".

Bancos cortaram 10.752 empregos no semestre
Bancos brasileiros são campeões mundiais de lucro

Santander e Itaú tiveram suas dívidas perdoadas no Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf). O primeiro teve seu caso analisado pelo órgão no dia 20 de julho e viu a dívida de R$ 338 milhões com o Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e CSLL. As dívidas eram referentes ao processo de aquisição do Sudameris, em 2003.

Santander atinge maior lucro da sua história para o semestre

O Itaú acumulava R$ 25 bilhões de dívidas com a Receita Federal do processo de aquisição do Unibanco. Em audiência no dia 10 de abril, o Carf decidiu perdoar os impostos milionários da transação.

Itaú lucra R$ 12 bilhões e elimina postos de trabalho

A operação para perdoar a dívida do Bradesco foi ainda mais escusa. O governo, por meio da Ativos, empresa controlada pelo Banco do Brasil, usou uma instituição pública, para comprar a dívida de R$ 4 bilhões em carteiras de crédito vencidas do banco privado.

Bradesco lucra R$ 9 bi, elimina mais de 4 mil empregos

Roberto von der Osten, presidente da Contraf-CUT, reforçou a preocupação com a benevolência do governo com os banqueiros. “Com o perdão da dívida, o governo mostra que um setor da economia brasileira pode fazer o que quiser que não pagará pela conta”, afirmou.

 

Fonte: Seeb-SP

 

AGENDA

Sem agenda no momento