Banco Itaú passará por transformação digital

15 de dezembro de 2020

Com a troca de presidentes, o banco Itaú vai iniciar um processo de transformação digital. A promessa é do novo dirigente da empresa, Milton Maluhy, que assume o cargo em fevereiro. O objetivo seria reposicionar o maior banco privado da América Latina para além das unidades físicas.


Maluhy argumenta que a finalidade da mudança é aproximar ainda mais o Comitê Executivo dos negócios e, assim, simplificar a operação e modelo de gestão, possibilitando maior autonomia e rapidez na tomada de decisão. A configuração exclui o vice-presidente, e centraliza o poder do Itaú, com o objetivo de apresentar uma rápida evolução nas frentes de satisfação dos clientes, cultura digital, experiência dos trabalhadores, crescimento e geração de resultados sustentáveis.


Com um patrimônio avaliado em R$ 37,383 bilhões, segundo a consultoria Interbrand, o Itaú está consolidado no mercado brasileiro e está prestes a expandir. Para tamanho crescimento, resta saber se irá continuar com a política de demissões, mesmo quando assume compromisso com os trabalhadores em mesa de negociação de não desligar os trabalhadores durante a pandemia de coronavírus.


Sem nenhuma justificativa, o Itaú demitiu mais de 800 funcionários em um período de crise, quando o lucro foi de R$ 13,1 bilhões nos noves primeiros meses do ano. O novo presidente do banco já apresentou a estratégia para migrar para o digital, mas nada fala sobre o assédio moral que os trabalhadores sofrem para bater metas altíssimas e nem argumenta como fica a vida das pessoas que foram jogadas na fila de desempregados do país. 

Fonte: Seeb_Bahia