Bancos anunciam horário estendido para renegociação

De 2 a 6 de dezembro, 261 agências ficarão abertas até às 20h em todo o país; Sindicato cobra esclarecimentos e o correto pagamento de direitos dos trabalhadores envolvidos

Os grandes bancos brasileiros anunciaram que, entre 2 e 6 de dezembro, parte das agências terão o horário estendido até às 20h para renegociações de dívidas e educação financeira. A ação faz parte de um acordo firmado entre Banco Central e Febraban (Federação Brasileira de Bancos). Aderiram à iniciativa, que envolverá 261 agências em todo o país, Banco do Brasil, Banrisul, Bradesco, Caixa, Itaú e Santander. A lista das agências será divulgada na segunda 25.

O Sindicato cobra esclarecimentos dos bancos sobre a ação e o correto pagamento de direitos dos bancários envolvidos.

Sindicalize-se e fortaleça a luta em defesa dos direitos dos bancários

“Uma operação como essa envolve diversos fatores como estrutura, condições de trabalho, segurança e, principalmente, o correto pagamento de direitos dos bancários envolvidos. É preciso que cada um destes pontos seja objeto de esclarecimento e negociação com as entidades representativas dos bancários”, enfatiza a secretária-geral do Sindicato, Neiva Ribeiro.

“Lembramos que os ataques à categoria bancária presentes na MP 905, assinada por Bolsonaro em 11 de novembro – como o aumento da jornada para 8 horas e a permissão para trabalho aos sábados, domingos e feriados – são temas de negociação. Cobramos que os bancos respeitem o processo negocial, construído ao longo de décadas, e não se aproveitem dessa MP para não pagar as devidas horas-extras aos bancários envolvidos nessa operação de renegociação de dívidas. Temos uma Convenção Coletiva de Trabalho em plena validade, assinada pelos bancos, que deve ser respeitada”, alerta Neiva.

Sindicato consegue suspensão da MP 905
Cadastre-se e receba informações atualizadas sobre a MP 905

Para a diretora do Sindicato, se os bancos realmente desejam melhorar a educação financeira da população, deveriam começar por abrir mão da cobrança de taxas abusivas, juros extorsivos e do absurdo spread bancário.

“É fácil falar em educação financeira colocando toda a responsabilidade nas costas dos clientes. Difícil é explicar que, somente este ano, apenas quatro bancos [Itaú, Santander, Bradesco e BB], já cobraram R$ 24,2 bilhões em tarifas dos clientes, crescimento de 7,1% em relação ao ano passado, enquanto a inflação [INPC] variou 2,89% no mesmo período. Difícil é explicar que os juros no cheque especial ultrapassam os 300% ao ano. Mais difícil ainda é explicar que o spread bancário no Brasil siga como um dos maiores do mundo. Também seria importante que os bancos apresentassem seus motivos para fecharem diversas agências nas periferias e municípios menores, onde a população mais precisa”, critica Neiva.

“Se a intenção realmente é melhorar a educação financeira do brasileiro, deveríamos começar pelos bancos brasileiros, que poderiam dar o exemplo exercendo a responsabilidade social que deveriam ter enquanto concessões públicas que são”, conclui.

Fonte: Seeb_SP – 25/11/2019