Casos covid-19 explodem nas agências da Caixa Econômica

2 de junho de 2021

Em apenas uma agência um terço dos funcionários testaram positivo fora alguns terceirizados. Totalizando 15 casos dentro de duas semanas.

Agência 0041 – Centro de Campina Grande

As agências da Caixa Econômica da base do Sindicato estão vivenciado um surto de covid-19. Todos os dias, o Sindicato tem recebido denúncias de trabalhadores que estão testando positivo para a doença.

Para se ter uma ideia da gravidade da situação, somente na agência 0041 localizada no Centro de Campina Grande, dos 33 funcionários que estão em trabalho presencial, 11 testaram positivo para a doença, junto com outros 4 terceirizados, totalizando 15 casos em uma única agência, em apenas duas semanas.

Os casos se estendem ainda na unidade de Esperança, um dos munícipios que está em estado de alerta na Paraíba devido ao alto índice de pessoas contaminadas, e também nas agências Borborema e Fiep.

Diante a situação alarmante, o Sindicato voltou a se reunir com a Superintendência da Caixa nesta quarta-feira (2/06), para cobrar mais uma vez um posicionamento do banco. A entidade já havia se reunido com a Superintendência no dia 24/05 solicitando mais rigor nas medidas de prevenção e segurança.

Na reunião de hoje, o Sindicato reivindicou ações além das previstas no protocolo da empresa, que é falho. Foi reiterado a necessidade de testagem dos funcionários para melhor controle da doença. Assim como, prioridade no tocante a sanitização dos locais. Para os representantes dos trabalhadores, apenas higienizar o espaço não assegura a proteção dos empregados.  

O Banco se comprometeu que a partir de agora irá testar todos os funcionários do setor que tiver caso positivo e não só aqueles que tiveram um contato mais próximo com o infectado. Hoje mesmo todos os funcionários do térreo da agência 0041, onde ocorreu o último caso, serão testados.

Além disso, foi levantado na reunião, a busca por uma parceria junto a prefeitura de Campina Grande, de um espaço amplo para fazer triagem do público do auxílio emergencial. A medida visa reduzir a aglomeração de pessoas dentro das unidades.

O Sindicato cobrou ainda mais transparência na divulgação dos casos. Haja vista que, a entidade tem recebido uma série de denúncias de que estaria sendo omitindo informações de funcionários contaminados. O banco se comprometeu a divulgar no grupo oficial da agência os casos que surgirem e as medidas que estão sendo adotadas.

Reforçando as ações em prol da situação dos colegas da Caixa, o Sindicato encaminhou requerimentos a Gerência de Vigilância Sanitária de Campina Grande (Gevisa) e a Agência Estadual de Vigilância Sanitária (Agevisa) denunciando os casos nas unidades e solicitando uma fiscalização de ambos os órgãos.

Além disso, a entidade encaminhará denúncia junto ao Ministério Público do Trabalho (MPT) relatando a situação alarmante das unidades.   

Omissão da doença – Os representantes dos trabalhadores lembram que é CRIME ir trabalhar com sintomas ou suspeita de covid e não comunicar ao seu gestor. Por isso, chama à atenção da categoria para consciência coletiva.

“Não podemos infringir uma determinação do poder público e colocar a vida dos outros em risco. Sejam conscientes, empáticos e ajudem a proteger a suas vidas e a dos demais colegas”, destacou Esdras Luciano, presidente do Sindicato.

Fonte: Seeb-CGR