Coronavírus: Sindicato cobra responsabilidade dos Bancos com a saúde dos trabalhadores

17 de março de 2020

Medidas anunciadas pelas empresas são insuficientes; Sindicato reivindica afastamento de grupos de risco e contingenciamento/revezamento nos locais de trabalho

Foto Divulgação

A pandemia do novo coronavírus tem gerado um clima de muita preocupação entre os trabalhadores bancários e os seus representantes. Apesar de os bancos terem anunciado medidas preventivas para o enfrentamento da pandemia, as orientações são insuficientes e estão colocando a saúde de trabalhadores, clientes e usuários das unidades em risco.

Mesmo com a gravidade da situação, os bancos ainda não criaram planos de contingenciamento nas unidades para evitar aglomerações e nem tão pouco adotaram medidas mais severas para os grupos de risco. Conforme comunicados internos divulgados pelas instituições financeiras, atendimentos ‘home office’ apenas “de acordo com a criticidade do processo e natureza do trabalho para os grupos de risco nos estados onde há transmissão comunitária”.

Conforme o presidente do Sindicato, Esdras Luciano, “os bancos estão simplesmente ignorando os riscos que os seus funcionários estão correndo. As pessoas que trabalham nos caixas, por exemplo, estão muito vulneráveis devido ao manuseio do dinheiro, que além de sujo pode estar infectado. Além disso, bancos como Caixa Econômica e Banco do Brasil, que estão na linha de frente com públicos que envolvem programas sociais, abrangem um grande fluxo de pessoas dentro das agências”, destacou.

Diante deste cenário alarmante, as entidades representativas estão cobrando das empresas, o afastamento imediato do trabalho de grupos de risco, de qualquer localidade, como também o contingenciamento e o rodízio nos locais de trabalho. Redução da jornada, controle de acesso e alternativa aos pais que tiveram os filhos liberados para férias escolares. Além da reorganização do fluxo de agências para evitar grandes aglomerações de clientes e funcionários, e a distribuição de materiais de proteção como luvas, máscaras, especialmente para os bancários que atuam no autoatendimento.  

“Estamos recebendo diariamente demandas dos bancários na nossa base preocupados com esta crise de saúde pública. Com providências insuficientes, os bancos se eximiram de assumir a responsabilidade da saúde dos seus trabalhadores e clientes, causando um clima ainda mais tenso dentro dos locais de trabalho”, frisou Esdras.

 Banco PAN – Mostrando que é possível atender nossas reivindicações nas agências bancárias, o Banco Pan divulgou nesta terça-feira (17), medidas reais e eficazes de prevenção contra coronavírus.

Conforme comunicado do banco, a partir de hoje, haverá rodízio do quadro para que 50% do quadro (há exceção do grupo de risco que deverá permanecer em Home Office) deverá trabalhar home office, sendo alternado em cada semana (segunda a sexta-feira). Os gestores deverão avaliar os casos de colaboradores com filhos até 12 anos que tiveram aulas suspensas e os colaboradores que vivem com pessoas do grupo de risco e solicitar inclusão neste grupo. Avaliação junto ao gestor a flexibilização de horário de entrada/saída, evitando horários de pico no transporte público. Visitas, reuniões, treinamentos presenciais suspensos. Entrevistas só pelo Skype. Colaboradores retornando de viagens internacionais deverão permanecer em quarentena e comunicar a área de Pessoas do banco.

Fonte: Seeb_CGR