Covid-19 x Influenza: Sindicato alerta categoria para não relaxar nos cuidados

20 de janeiro de 2022

A categoria bancária vem enfrentando grandes desafios desde a chegada da pandemia em 2020. Quando graças à força da atuação do movimento sindical, os meios para preservar a vida dos trabalhadores foram o máximo resguardados.

De lá pra cá, além de conseguir que boa parte da categoria pudesse trabalhar em home office, a mobilização dos representantes dos trabalhadores garantiu também a distribuição de EPIs, redução no horário de atendimento, contingenciamento de pessoas dentro das unidades, estabelecimento dos protocolos sanitários, entre outras ações.

Mesmo com a redução das internações e de mortes resultado da vacinação, a principal demanda do movimento sindical continua sendo assegurar que os Bancos adotem medidas mais rígidas para preservar a saúde e vida dos bancários.

O aumento da segurança sanitária foi tema de reunião entre o Comando Nacional e os Bancos, no último dia 18/01.  Além de cobrar mais rigidez nos protocolos de segurança, os representantes dos trabalhadores reivindicaram a suspensão de visitas a clientes neste momento de alta de casos de infecção; a retomada do teletrabalho em home office; melhorias do atendimento em telemedicina; o compromisso com a não-demissão; e a volta do controle de acesso às agências bancárias, entre outras reivindicações.

A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) irá se reunir os bancos para analisar as demandas apresentadas pelo Comando Nacional dos Bancários e dar a resposta para representação dos trabalhadores. Uma nova reunião para tratar do assunto está prevista para ocorrer na semana que vem.

Aumenta número de bancários com Covid-19

Nas últimas semanas, o Sindicato não para de receber relatos de bancários da base afastados após testarem positivo para covid-19. São casos em vários Bancos e a diretoria tem percorrido as unidades para verificar se os protocolos de segurança sanitária estão sendo cumpridos.

Itaú – Em menos de uma semana, a agência do Itaú da Rua 7 de Setembro, por duas vezes teve suas portas fechadas para sanitização após casos positivos para Covid-19. Já são 7 casos confirmados na unidade neste curto espaço de tempo.

Caixa Econômica – Na agência Borborema foram cerca de 4 casos. Já na unidade da FIEP os relatos são de cerca de 7 casos entre confirmados e suspeitos e envolvendo funcionários e prestadores de serviço.

Bradesco – A agência da Marquês do Herval também foi fechada duas vezes em menos de uma semana para sanitização após dois casos confirmados.  

Cuidados redobrados

O Sindicato alerta que para reduzir a propagação e o contágio pelo vírus da Covid-19 e suas variantes é fundamental que todos se mantenham atentos e não relaxem nos cuidados. Com a flexibilização das medidas restritivas é muito difícil diminuir o risco de contaminação pela variante ômicron e também da influenza, por isso, é extremamente necessário que todos se conscientizem da sua responsabilidade individual para que juntos possamos vencer esta pandemia.

Neste momento é imprescindível evitar aglomerações, adotar o uso de máscaras de maior proteção (PFF2 ou NK-95), manter o distanciamento social, seguir higienizando as mãos com álcool em gel, e sobretudo, tomar as duas doses da vacina, assim como a de reforço.

Procure o Sindicato

O bancário que estiver com qualquer sintoma gripal deve avisar ao gestor e não comparecer ao local de trabalho, realizar o teste de Covid-19 e, se possível, também para Influenza, aguardando o resultado em casa, seguindo os protocolos específicos do seu banco, que são acompanhados pelo Sindicato.

É fundamental que o Sindicato seja comunicado sobre os casos, para que possa cobrar do Banco que os protocolos sejam realmente cumpridos.

O funcionário que sofrer qualquer tipo de pressão para trabalhar em caso de suspeita ou confirmação de Covid-19, deve comunicar ao Sindicato através dos nossos canais de comunicação:

WhatsApp:  (83) 99856-0238

Email: secretaria@bancarioscg.com.br

Facebook: /bancarioscgr

Instagram: @bancarioscg

Twitter: @bancarioscg

Qualquer desrespeito aos protocolos de prevenção nos locais de trabalho também deve ser denunciado à entidade.

Fonte: Seeb_CGR