Contraf-CUT negocia pauta específica com Santander nesta quinta

altA Contraf-CUT, federações e sindicatos negociam nesta quinta-feira (4), às 14h, a pauta específica de reivindicações dos funcionários com o Santander, durante a reunião do Comitê de Relações Trabalhistas (CRT), em São Paulo. A minuta foi entregue ao novo superintendente de relações sindicais do banco espanhol, Luiz Cláudio Xavier, no último dia 26 de junho.

A pauta contém as demandas aprovadas no Encontro Nacional dos Funcionários do Santander, realizado pela Contraf-CUT nos dias 4 e 5 de junho, com a participação de mais de 130 dirigentes sindicais de todo país, constando propostas de emprego, condições de trabalho, remuneração, saúde suplementar e previdência complementar. Também foram incluídas pendências de reuniões anteriores do CRT.

Clique aqui para ver a íntegra da pauta.

“Esperamos que os representantes do Santander tragam respostas concretas e atendam as reivindicações dos trabalhadores, especialmente as demandas de emprego, condições de trabalho e remuneração”, projeta Ademir Wiederkehr, funcionário do banco e secretário de imprensa da Contraf-CUT.

“Também aguardamos a retirada das ações judiciais movidas pelo banco contra a Contraf-CUT, sindicatos, federações e Afubesp para tentar calar o direito de liberdade de expressão do movimento sindical”, completa o dirigente sindical.

“Está insustentável a situação nas agências, com falta de funcionários, metas abusivas e até bancários trabalhando mesmo com atestado médico, o que comprova o modelo de gestão pelo medo”, afirma Maria Rosani, coordenadora da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander.

Veja as reivindicações dos funcionários:

Emprego

– suspensão do processo de demissões sem justa causa de funcionários e aplicação da Convenção 158 da OIT que proíbe dispensas imotivadas;

– ampliação das contratações de funcionários;

– remanejamento dos trabalhadores atingidos por fusão, fechamento de agências e postos de atendimento e extinção de funções para outras unidades com garantia de treinamento e readaptação profissional;

– suspensão da implantação de quaisquer projetos de terceirização, ficando vedada a terceirização em atividades-fim do banco;

– universalização do atendimento dentro de um processo de inclusão bancária, através de agências e postos de atendimento, não aplicando as resoluções do Conselho Monetário Nacional e Banco Central do Brasil sobre os correspondentes bancários;

– democratização do acesso de trabalhadores e trabalhadoras, garantindo que mulheres, negras, indígenas, homoafetivos e deficientes tenham igualdade de oportunidades, sem práticas discriminatórias;

Saúde e condições de trabalho

– fim das metas para os caixas com entrega de orientação por escrito aos gestores do banco de que os caixas não têm metas e, portanto, não serão avaliados pela venda de produtos, conforme já acordado com o movimento sindical;

– fim das reuniões diárias para cobrança de metas nas agências;

– fim da exposição de ranking individual e da exposição e cobrança do ranking nas reuniões e teleconferências;

– fim das metas individuais;

– fim da proibição de abertura e prospecção de conta universitária fora da jornada e do local de trabalho;

– fim do desvio de funções nas agências, envolvendo caixas, coordenadores e gerentes de atendimento e de negócios.

– proibição de cobrança de metas para estagiário e menor aprendiz.

Remuneração

– criação de um plano de cargos e salários (PCS), como forma de corrigir as distorções nos salários para cargos de mesma função;

– participação dos trabalhadores na definição das regras e funcionamento dos programas próprios de remuneração variável, pois falta controle, transparência e injustiça nas formas de distribuição.

Saúde suplementar

– unificação da gestão dos planos de saúde;

– não segregação dos aposentados, assegurando aos empregados com 5 anos ou mais de vinculo empregatício, bem como para os seus dependentes, a manutenção do plano de saúde durante a aposentadoria, nas mesmas condições de cobertura assistencial de que gozava quando da vigência do contrato de trabalho, mediante o pagamento de mensalidade correspondente ao valor que era descontado de seu holerite (contra cheque).

– assistência médica para os pais de todos os funcionários;

– transparência na gestão dos planos de saúde, fornecendo aos representantes dos trabalhadores os contratos e os estudos atuariais que subsidiam as decisões, pois os trabalhadores também arcam com os custos e constituem em parte interessada e legítima;

– divulgação das datas de upgrade e downgrade para todos os trabalhadores, bem como ampliará a rede conveniada de médicos, clínicas e hospitais.

Previdência complementar

– unificação da gestão dos planos de previdência complementar num único fundo de pensão, no Banesprev, que possui o melhor modelo de governança.

– melhoria de todos os planos existentes com democracia, transparência e ampliação dos benefícios e das contribuições.

– retomada imediata do funcionamento do Grupo de Trabalho (GT) do Santanderprevi com prazo de conclusão dos trabalhos até 31/07/2013.

– implantação de contribuições do banco, enquanto patrocinadora, aos participantes do Sanprev.

Pendências de reuniões anteriores

– mudança do calculo de pagamento das horas extras, com a aplicação imediata da súmula 124, de 14/09/2012, do TST;

– cumprimento da cláusula 27ª do Acordo Aditivo à CCT que trata de procedimento com os trabalhadores afastados;

– manutenção da Cabesp aos funcionários oriundos do Banespa que se aposentam no banco, conforme assegura o estatuto da caixa beneficente;

– melhores condições de trabalho e valorização dos funcionários com deficiência (PCD), e transferência de suas lotações para locais mais próximos de suas residências, para melhorar sua mobilidade e qualidade de vida;

– concessão de folga no dia de aniversário para todos os funcionários do banco, conforme já vem sendo feito em vários locais de trabalho;

– redução das altas taxas de juros de empréstimos, consignado, cheque especial, cartão de crédito, bem como a isenção das tarifas bancárias para todos os funcionários na ativa e aposentados do banco;

– divulgação das informações sobre as bolsas de estudo concedidas no 1º semestre de 2013, informando total de solicitações, número de vagas preenchidas, quantidade de recusas e os motivos das mesmas;

– esclarecimentos sobre a grande quantidade de trabalhadores de outros países trabalhando em agências e centros administrativos, principalmente em São Paulo, informando o número desses trabalhadores, as funções que desempenham e forma do contrato de trabalho;

– programa de reabilitação profissional, conforme estabelece a cláusula 43ª da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT);

– novo agendamento de reuniões para o Fórum de Saúde e Condições de Trabalho, Igualdade de Oportunidades, Grupo de Trabalho sobre eleições democráticas no SantanderPrevi e Grupo de Trabalho sobre Call Center.

Fonte: Contraf-CUT