Sindicato cobra mais segurança ao Banco do Brasil e ao Comando da Polícia Militar

24 de maio de 2022

A onda de assaltos que vêm ocorrendo às agências bancárias e instituições financeiras em Campina Grande, especialmente, os casos registrados no Banco do Brasil do Parque da Criança, nas últimas semanas, vem preocupando os representantes dos trabalhadores, que na tentativa de buscar uma solução para proteger a vida de bancários e clientes estão cobrando do Banco Brasil e do Comando de Polícia Militar local ações mais efetivas para inibir os ataques criminosos.

Pensando nisto, nesta terça-feira (24/05), o Sindicato encaminhou ofício a Superintendência do Banco do Brasil externando sua preocupação com a segurança física e emocional dos funcionários da agência, e solicitando que medidas urgentes e concretas sejam adotadas para preservar a vida das pessoas. No ofício, a entidade também reivindica ao Banco que cobre do poder público mais segurança para o entorno da unidade.

“Nos últimos anos as instituições financeiras investiram em equipamentos de proteção ao patrimônio, mas onde estão as ações que preservem a segurança física e psicológica das pessoas? Os bancos precisam ampliar a segurança com medidas que possam proporcionar mais tranquilidade aos bancários e clientes das unidades”, frisou Esdras Luciano, presidente do Sindicato.

Ainda segundo Esdras, levando em consideração que o problema também é uma questão de segurança pública, o Sindicato entregou ainda ao comando do 10ª e do 2º Batalhão de Polícia Militar de Campina Grande, outro ofício cobrando reforço no patrulhamento policial naquela área.

Assaltos BB Parque da Criança – Em menos de 10 dias, um cliente foi assaltado na porta da agência, onde os bandidos acabaram efetuando disparos de arma de fogo para dentro da unidade. E na outra ação, ainda mais audaciosa, os criminosos invadiram à agência fortemente armados rendendo vigilantes, bancários e clientes e levando dinheiro dos caixas. Na ação, os bandidos chegaram a quebrar a porta de entrada da agência com uma marreta.

Ambos os casos ocorreram em plena luz do dia, na hora do atendimento bancário. Os funcionários estão extremamente abalados com a situação.

Segurança Bancária

Segurança bancária é uma pauta prioritária na luta do movimento sindical. Que sempre vem reivindicando em mesas de negociações, a criação de políticas voltadas para preservar a vida das pessoas.

Contudo, na contramão disso, os bancos estão transformando agências bancárias nas chamadas “unidades de negócio”, sem atendimento de caixa, sem portas de segurança e sem vigilantes. As instituições financeiras alegam que ‘não existem riscos por não haver circulação de numerário’, mas, na prática, existem caixas eletrônicos e denúncias de que funcionários manipulam valores e precisam atender demandas de clientes que vão até o local para efetuar saques e outras operações.

Também há muitos relatos de agressões de bancários por clientes e usuários que não se sentem adequadamente atendidos nestas “unidades de negócio” e, sem vigilantes, se sentem à vontade para agredir os funcionários.

Na avaliação do movimento sindical a vida é mais importante que a lucratividade dos bancos.

Poder Público

O Sindicato entende que o poder público deve entrar com ações mais enérgicas para inibir essas situações. A onda de insegurança que vem se alastrando em todo o Estado nos últimos dias tem sido calamitosa. Assaltos, arrombamentos e sequestros vêm sendo cada vez mais corriqueiros. E o clima de medo e insegurança é geral.

“Os governos Estadual e Municipal precisam urgentemente colocar em prática projetos que visem frear esses tipos de ações. Os cidadãos vivem amedrontados com tanta insegurança”, frisou Esdras.

Fonte: Seeb-CGR