Vai que dá: “missão impossível” preocupa bancários do Itaú

“Desafio” exige pontuação de até 4.000 pontos para premiação extra; Sindicato cobra esclarecimentos e garantia de que programa não será mais uma ferramenta de pressão sobre os bancários

 

Na convenção anual do AGIR (Ação Gerencial Itaú), que reuniu gestores do Itaú, o banco propôs um desafio que garante premiação extra para funcionários que atingirem novas metas estipuladas. Chamado de “vai que dá”, o desafio a princípio seria só para gerentes operacionais e comerciais. Porém – para o trimestre junho, julho, agosto – foi ampliado para agentes de negócios, assistentes, caixas, supervisores e gerentes regionais. 

“O desafio tem causado grande apreensão nos trabalhadores, que já encontram dificuldades para atingir os pontos do AGIR”, relata a dirigente do Sindicato e bancária do Itaú Márcia Basqueira. 

No AGIR, toda agência é avaliada em itens que, somados, resultam em 1.000 pontos ou mais. “Existe o entendimento de que quem faz mil pontos garante o emprego. Entre 1.050 e 1.200 pontos podem receber uma remuneração extra. Cabe ressaltar que fazer 1.200 pontos não é tarefa fácil, uma vez que é necessário bater 150% da meta em diversos itens”, explica a dirigente do Sindicato. 

No desafio “vai que dá”, as agências devem atingir um patamar médio de pontos de acordo com o seu porte: porte A, B e C (médio e grande porte) devem ter média trimestral de 3.600 pontos; D e E, média trimestral de 3.800 pontos; G e F, média trimestral de 4.000 pontos. 

“Cumprir 1.200 pontos já não é nada fácil. Para os que estavam conseguindo cumprir  houve aumento na carteira em torno de 30% e agora estão com ainda mais dificuldades. Além disso, na avaliação de muitos bancários, agências de grande porte acabam por ter menos dificuldades para tentar cumprir o desafio, pois contam com mais recurso e maior número e fluxo de clientes. Os funcionários de agências que precisam fazer entre 3.800 e 4.000 pontos estão frustrados, uma vez que consideram o desafio uma missão impossível”, critica a dirigente do Sindicato.

Márcia Basqueira explica que outro fator que dificulta ainda mais o desafio é o bancário estar sem atuação no SQV (Sistema Qualidade de Vendas), programa que de acordo com o banco tem como objetivo avaliar o comportamento das vendas realizadas pelos bancários.   

“No desafio, não basta bater os pontos determinados, mas é necessário que nenhum funcionário da equipe em questão tenha autuação no SQV. Caso tenha, a equipe não é elegível, o que pode levar o trabalhador a ser encarado como o `patinho feio´ da equipe. Lembrando que por muitas vezes reclamações ao Bacen e ao SAC penalizam o bancário mesmo que improcedentes”, explica a dirigente. “Cobramos do banco esclarecimentos e garantias de que o `vai que dá´  não será mais uma ferramenta de pressão sobre os bancários”, conclui.  

Fonte: Redação Spbancarios